Curiosidades sobre as músicas da banda " O Teatro Mágico" - O mundo da Tutty

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Curiosidades sobre as músicas da banda " O Teatro Mágico"


Algumas músicas da banda " O Teatro Mágico " tem lá suas explicações e curiosidades, boa parte de suas músicas são baseadas em fatos que ocorreram com eles.

1- O anjo mais velho
“O dia mente a cor da noite/ E o diamante a cor dos olhos/ Os olhos mentem dia e noite a dor da gente/ Enquanto houver você do outro lado/ Aqui do outro eu consigo me orientar/A cena repete a cena se inverte/ Enchendo a minha alma daquilo que outrora eu deixei de acreditar./ Tua palavra, tua história/ Tua verdade fazendo escola/ E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar/ Metade de mim/ Agora é assim/ De um lado a poesia o verbo a saudade/ Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim/ E o fim é belo incerto… depende de como você vê/ O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só/ Só enquanto eu respirar/ Vou me lembrar de você/ Só enquanto eu respirar..
Essa música foi feita em homenagem ao irmão de Fernando Anitelli, Rodrigo Anitelli, após lutar contra o câncer e falecer em 2012.
O grupo no dia declarou ao site:


Bom, hoje a terça feira amanheceu em silêncio.
Todos que acompanharam a luta do nosso querido Rodrigo Anitelli sabe o quão difícil foi. E a luta acaba vitoriosa! Agora nosso Anjo Mais Velho sorri de outro plano, melhor, mais alto e bonito!
Agradecemos imensamente todo carinho! Realmente vocês são especiais!
“Além de quando eu respirar vou me lembrar de você”
Rodrigo Anitelli 1971 – 2012
 Eu já amava muito a banda, e essa música era uma das mais lindas, em 2015 perdi meu pai para o câncer também de forma muito rápida, e foi ai que a música fez mais sentido! Hoje carrego a lembrança de meu pai e a música juntos comigo.


2-Transição:
Se enunciar repleta, intacta./ Apta a habitar todo lugar/ Se aflorar bela/ Assim que for embora/ Perpetuar a história/ Desvalidar (desvalidar) o improvável/ Desdenhar (desdenhar) do inconcebível/ Ocupar o ar das horas plenas, serenas. / Inéditas, autenticas/ Revidar bela/ Desperta em nós/ Nova aurora ao coração/ Ensina a perder o medo/ Alcança a voz, acorda de prontidão/ Anuncia/ Milagres acontecem quando a gente vai à luta/ Milagres acontecem quando a gente vai

A letra foi feita para Izabela Freitas , amiga, fã e jornalista, que faleceu em maio deste ano. "apta a habitar todo lugar", "Belinha" como é  tratada pelos amigos, ensinou em vida e morte a perder medo e debochar de limitações. Daí os versos "se aflorar Bela" e "revidar Bela". Revidar. Dar o troco, responder à altura (ou acima dela). Revidar. Re-vidar. Dar vida outra vez. Versos e vidas que ensinam. 


3- Você me bagunça: 

Você me bagunça, e tumultua tudo em mim/ Essa moça ousa, é musa, abusa de todo meu sim/ Você me bagunça e tumultua tudo em mim/ Ainda joga baixo, eu acho, nem sei,/ Só sei que foi assim/ Assimila, dissimula, afronta, apronta, Diz: ''carrega-me, nos abraços''/ Lapida minha pedra bruta, insulta, assalta-me os textos, os traços/ Me desapropria o rumo, o prumo, juro me padeço com você/ Me desassossega, rega à alma, roga a calma em minha travessia/ Outro porquê/ Parece que o coração carece e diz: ''para!'' silencia./ Se embrulha e se embaralha,/ Reconsiderar o ar, o andar, nossa absolvição, a escuta e a fala/ Nos harmonizar, o dia, a pia, o corredor, a calçada, o passeio e a sala/ Se perder sem se podar e se importar comigo/ Aprender você sem te prender comigo/ Difícil precisar, quanto preciso/ Difícil precisar, quanto preciso.

Fernando Anitelli disse que escreveu para a ex-namorada. Tem uma das frases mais lindas e sábias dele "aprender você sem te prender comigo" que aplica-se independente de fim de relacionamento.

4- Da entrega:
Apoderar-se de si/ Recombinando atos/ Não sou quem estou aqui/ Sou um instante passo/ Cada um, cada qual/ Resgatar o júbilo/ Existir, ser plural/ Repartir o acúmulo/ Apoderar-se de si/ Remediando passos/ Convergir no olhar/ Nosso brio e fúria/ Conceber, conservar/ Aguerrida entrega/ Nesse nosso desbravar/ Emanemo-nos amor/ Até quando suceder/ De silenciar/ O que nos trouxe até aqui/ Nada melhor virá/ Nada melhor virá.

Segundo Fernando Anitelli, foi composta pro irmão mais novo dele, Gustavo Anitelli, depois de uma briga entre os dois. Como saíssem muito tristes, cada um pro seu lado. Fernando escreveu "Da Entrega" para fazer as pazes. Mais uma das boas histórias de música do Fernando Anitelli.

5-“Amanhã... Será?” 
Se aliança dissipar../ E sentença for só desamor!/ A tormenta aumentará!/ Quando uma comunidade viva!/ Insurrece o valor da Paz,/ Endurecendo ternamente!/ Todo biit, byte, e tera../ Será força bruta a navegar,/ Será nossa herança em terra!/ Amanhecerá!/ De novo em nós!/ Amanhã, será?/ O "post" é voz que vos libertará./ Descendentes tantos insurgirão./ A arma, o réu, o véu que cairá./ Cravos e Tulipas bombardeiam,/ Um jardim novo se levantará./ O Jasmim urge de um solo sem medo./ O sol reclama no Oriente./ Brada a lua que ilumina./ Rebelando orações e mentes./ Amanhecerá!/ De novo em nós!/ Amanhã, será?

A inspiração, aqui, são as recentes mobilizações populares em países do Oriente Médio, na Espanha e no Brasil. Os integrantes do Teatro Mágico costumam frequentar as marchas em São Paulo caracterizados, em contato direto e íntimo com a multidão. “Essa revolução, na verdade, é interior”, filosofa Fernando.

6- Tática e Estratégia
Minha tática é te querer como sois, a sós/ Minha tática é te escutar para que me queiras mais/ Para que me queiras/ Minha tática é cruel por ser crua/ Sem didática/ Minha tática não tem pudor/ Tem amor na prática/ Queira amar, queira amar, queira amar, me queira/ Queira amar, queira amar, queira amar, me queira/ Nosso esquadro, nossa moldura/ Se nosso amor durar sem armadura/ Quando me duvidar, quando me estranhar/ Não ataca-me, acata-me/ Atreva-te espontanear/ Ser mais eu contigo/ Para que me queiras

“Essa foi uma paixão latina que Fernando Anitelli teve, afirmando que a inspiração vem do poeta uruguaio Mario Benedetti.

7-  O que se perdem enquanto os olhos piscam
Pronde vai?/ Toda tampa de caneta?/ Todo recibo de estacionamento?/ Todo documento original?/ Isqueiro, caderneta,/ A camiseta com aquele sinal.../Pronde vai... Toda palheta?/ Pronde foi... Todo nosso carnaval?/ Pronde vai?/ Todo abridor de lata?/ Toda carteira de habilitação?/ Recado não dado, centavo, cadeado?/ Todo guarda-chuva!/ Pra fuga pro temporal!/ Pronde vai... O achado, o perdido?/ Eu não sei, veja bem.../ Não me leve a mal.../ São longuinho/ Me fale me de um sinal! 

Fernando fez com o pessoal do Twitter, estava lá ao vivo e falou: ‘Gente, vamos fazer uma música agora? A ideia é listar objetos que a gente perde e não se dá conta’. Todo mundo começou a mandar coisa: guarda-chuva, documento, aliança, chaveiro, cadeado, óculos escuros, tampa de caneta... Simplesmente montou uma ordem de estrofes.” Entre objetos mais corriqueiros, começam a aparecer outros de inserção mais simbólica, “pronde vai o solo que não foi escrito?”, “pronde foi a coragem do meu coração?, “pronde vai a culpa da cópia?”, “pronde foi a versão original?”

8- O sol e a peneira
A conduta tá toda curiosa/ Outro dia era um "bando de sem causa/ Causando caos por alguns centavos de réis"/ Invertendo os papéis!/ A repressão levou pra rua/ Nosso tom, nossa amargura/ E a justiça?/ Onde vai?/ D'onde vem?/ Quem a escreve?/ É a favor de quem?/ Querem tapar!/ O sol com a peneira/ Querem calar/ A nossa maneira/ De brincadeira... Aqui ninguém tá!/ A cocaína, o craque, a copa/ A coca, a desocupação da oca/ D'aldeia maracanã!/ Morre a juventude à luz do dia/ Já não dorme a periferia/ A perícia constata/ É polícia quem mata também à revelia!/ O preconceito eleito/ A culpa e moral/ Violência descabida/ Orientação sexual/ Falta de respeito/ No púlpito, no pleito/ Homofobia, quem diria!/ Amplificada pela ma-fé!/ Homem, mulher/ Somos todos bichos/ Nichos de mercado/ Datados!/ Dotados de amor e querência!/ Por isso não esqueça/ Onde sobra intolerância falta inteligência!

A música reflete sobre as manifestações de 2013, a alusão à ida do povo brasileiro às ruas, a música comenta o Brasil como sede da copa do mundo de 2014, as desocupações decorrentes do evento, as recentes ondas de violência homofóbica e a intolerância.

Alguém conhece mais alguma música assim? Deixe aqui nos comentários!

Nenhum comentário:

Postar um comentário