44° Livro: O diário de Helga - O mundo da Tutty

terça-feira, 22 de novembro de 2016

44° Livro: O diário de Helga


Titulo: O diário de Helga
Autor: Helga Weiss
Ano: 2013
Editora: Intrínseca
Páginas: 238
Classificação: Diário/ Guerra Mudial

Sinopse do livro: “Filha de um bancário e de uma costureira, Helga Weiss começou a escrever um diário quando tinha apenas oito anos e seu país, a Tchecoslováquia, acabava de ser ocupada pelas tropas da Alemanha nazista.
As transformações do cotidiano dos 45 mil judeus de Praga foram registradas através do seu olhar infantil: o pai ficou sem trabalho; passou ser obrigatório andar com as infames estrelas amarelas costuradas à roupa e, o que mais revoltou Helga, como outras crianças judias, ela foi proibida de frequentar a escola. Tudo isso empalideceu, porém, tiveram início as deportações.
Em 1941, Helga e seus pais foram enviados ao campo de concentração de Terezín, onde a menina continuou a escrever sobre o cotidiano com riqueza de detalhes. E, seguindo recomendação feita pelo pai, a desenhar tudo o que via. Apesar das precárias condições de moradia, da fome e das doenças, a garota escreveu também momentos de alegria, esperança e até a descoberta do amor.
Em 1944, antes de Helga e a mãe serem enviadas para Auschwitz, seu diário e seus desenhos foram escondidos em um muro pelo tio que trabalhava no departamento de registros em Terezín. E foi assim que esse precioso documentos sobreviveram à guerra.
Neste livro, encontra-se o diário completo, acrescido dos relatos sobre sua passagem por outros campos de concentração e de uma reveladora entrevista dada por Helga ao tradutor Neil Bermel, autor da versão em inglês. Entre as ilustrações, encontram-se dezesseis desenhos feitos em Terezín, além de fotos de álbuns de família e outros documentos.
É um tocante testemunho de um momento histórico que não pode ser esquecido”.



Minha opinião: O diário em si, é dividido em três partes: Praga, Terezín e Auschwitz, Freiberg, Mauthausen, Praga. E no final ainda temos uma emocionante entrevista com Helga, além de notas, glossários e encartes de fotos e desenhos.Nascida em 1929, Helga era uma menina entrando na adolescência quando a guerra começou. Ela vivia em Praga com seus pais, e é aí que começa a primeira parte do diário. Helga era uma menina inocente, mais inteligente e curiosa. Apesar de no inicio não entender o que acontece no mundo, ela consegue interpretar se aquilo era bom ou não para sua família, quando seus pais resolvem se esconder dos ataques aéreos, o nervoso deles ao ouvir o rádio, as mudanças que ocorriam na escola, seus amigos " faltando", a proibição de acesso a lugares públicos aos judeus e o envio para os campos de concentração. E a transição da sua vida normal para o caos nazista.


 A segunda parte narra sua vida em Terezin, a separação de seu pai para ala masculina e ela e sua mãe para a feminina, a falta que o pai faz, e a manipulação do sistema que já existia naquela época.  Mesmo que ainda criança, Helga entendia as dificuldades e sofrimentos, e não se lamentava na história, mas procurava ser forte por sua mãe. Ela reclamava do quarto, mas procurava fazer com que ele fosse o melhor no momento, achava a comida pouca e ruim, mas comia e procurava ter sempre mais comida. Das suas maiores preocupações, a unica que lhe deixava transtornada era que lhe separassem da sua mãe. Elas adoecem, passam fome, são mal tratadas, jogadas de um canto ao outro, e ainda assim resiste, Helga chegou a pensar em suicídio e mais uma vez isso não acontece porque não queria deixar sua mãe só.


"A memoria humana é uma coisa estranha"

A terceira parte conta sobre o transporte, mais dessa vez para Auschwitz, onde logo no incio fizeram duas filas, os aptos para o trabalho e os que iriam para a câmera de gás.
Ler esse livro me revirou a mente e me deixou mais curiosa para ler outros livros sobre o assunto. Como a própria Helga fala na entrevista, deveríamos ler porque foi real. É estranho não parar para pensar como as coisas podem ter ido tão longe. Como puderam ser tão maldosos e matado tantas pessoas e por mais crianças. Sempre achamos que as coisas não poderiam chegar a esse ponto ate chegar. Afinal quem sobreviria a Hitler? Essa seria uma leitura obrigatória, sensacional.


Quem mais já leu?

2 comentários:

  1. Oi Tutty! Amei sua resenha. Todos deveriam ler, eu me emocionei muito com o livro e foi bem doloroso. Me deu vontade de ler mais sobre o que aconteceu na época. Até então, só li esse e Anne Frank.

    Beijinhos, JENNI

    sinopsedoslivrosjenni.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! Acho esse ainda melhor que o de Anne Frank! Na verdade todas as histórias são emocionantes, mas a depender do ponto de vista, você pode conhecer mais da época. Anne Frank conta a história dentro de casa, Helga vivencia a 2° guerra. É incrível.

      Excluir