quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Frases do livro: Surpreendente


"  O isolamento é bom para refletir. "

" Nossa vida é feita de um monte de momentos esquecíveis, estremeados por pouquíssimos inesquecíveis. Por que não darmos a nós mesmo o presente de tentar viver um inesquecível? "

" Compreender o mundo é tarefa complicada para qualquer pessoa, enxergue ela ou não. "

" Muita gente vê tudo, mas não enxerga nada. "

" A gente precisa correr riscos na vida. E lembre-se de que ela é feita de um monte de momentos esquecíveis, alternados por pouquíssimos inesquecíveis."

" Nem toda semente que a gente planta dá árvore ou flor. A maioria morre, poucas vingam. "

" No cinema tudo é possível, e o improvável, como os milagres que as pessoas passam a vida pedindo e quase nunca alcançam, depende apenas das decisões tomadas pelo roteirista. "

" A variável que mudou tudo, que me fez voar, que me segurou á beira do abismo e ainda me jogou lá com o desejo de que o chão nunca mais chegasse."

" Quem tem um porquê enfrenta qualquer como. "


Livro 86: Surpreendente



Titulo: Surpreendente
Ano: 2015
Editora: Intrinseca
Páginas: 272
Classificação: Drama/ Romance


Sinopse: Aos 25 anos, recém-formado, Pedro está convencido de que é um sujeito muito especial, que tem a missão de usar o cinema como instrumento para melhorar o mundo. Diagnosticado na adolescência com uma doença degenerativa que o condenaria à cegueira, ele contraria a lógica da medicina quando a perda de sua visão estaciona de forma inexplicável. Enquanto comanda o último cineclube de São Paulo e trabalha em uma videolocadora na periferia, Pedro planeja seu próximo filme - a obra que vai consagrá-lo. E, para animar as coisas, conhece a intrigante Cristal, uma ruivinha decidida, garçonete e estudante de física nuclear, que mexe com seu coração.A perspectiva idealista de Pedro, porém, sofre sérios abalos. Atormentado por um segredo, ele parte com os amigos Fit, Mayla e Cristal numa longa viagem até Pirenópolis, em Goiás, a bordo de um Opala envenenado. Com câmeras nas mãos e espírito de aventura, a equipe técnica improvisada está disposta a usar toda a sua criatividade na filmagem, feita na estrada ao sabor de encontros inesperados e de sentimentos imprevisíveis. E o jovem cineasta descobre que, quando o destino foge do script, nada supera o apoio de grandes amigos.



Minha opinião: Eu não estava enganada quando ao autor, eis que fiquei apaixonada pela história. O autor soube fazer capítulos pequenos, bem divididos, que fazem com que o leitor sempre queira saber mais um pouco, e com capítulos pequenos você nunca quer parar de ler. A escrita é bem leve, de forma ás vezes triste com um pouco de graça. 


O livro conta várias histórias, é você consegue se envolver com cada uma e todas envolvem o Pedro. O Pedro tem uma doença que ninguém sabe quando ela vai parar ou evoluir, e é assim que começa a história, no meio disso Pedro descobre o real significado da verdadeira amizade, aquela que tá com você em todos os momentos, assim como descobre o amor verdadeiro. Descobrir esse amor, salvou Pedro da morte, deu esperanças, mas nem tudo termina ai, Pedro ainda tem um problema a ser resolvido, ele descobriu que seus pais guardam um grande segredo, descobre qual é, surta, e nesse momento ele precisa voltar atrás e se reconciliar com aqueles que o quiseram a vida toda. Um livro repleto de amor, perdão, segundas CHANCES. Porque a vida não se trata só de uma. E isso a gente só vai conhecer no fim do livro. Instigante e apaixonante. Venha conhecer o Surpreendente.


E você já leu o que achou?

O que mudou com o tempo?


Há algum tempo pensei em re-escrever um post que fiz meses atrás, seria um re-post, de tudo que havia mudado dentro de mim. Pois bem, não fiz. Quem ia se importar?. Mas tudo tem sua hora e seu momento, acredito ás vezes. 
O primeiro post que fiz foi sobre meu desabafo, e eu contei minha história, meus planos, meus sonhos, a forma como perdi meu pai, bem sucintamente, e todo o pesadelo que minha vida virou, e isso nem foi a metade de tudo que aconteceu. Então hoje, essa carta vai para você Ari, que não apenas leu, e se preocupou, como me fez reler e relembrar tudo que passei, e que não dá pra esquecer.
Foi exatamente no dia 30 que chegaram os exames de sangue de meu pai, fui a primeira a ver os exames e descobrir que ele tinha tumor, no dia seguinte (31) porém de março de 2015 que descobrimos o câncer em estagio terminal em meu pai. Ontem foi o dia que voltei a cidade que ele nasceu, e eu também, para rever os irmãos dele, meu tios e minha avó. Por coincidência foram os dois dias que eu quis ficar isolada, coincidência porque não notei as datas, apenas senti.
Muita coisa aconteceu desde então. Mas nada mudou. Mente quem diz que passa ou melhora, na verdade você se " acostuma " com a dor, com a falta, com a lembrança, você se acostuma até com o choro. Se acostumar é um verbo que vai entrar de todas as formas no seu cotidiano.
Eu nem sei por onde começar nessas fases da vida. Existe algo depois disso tudo que ninguém percebe, apenas você, e eu tenho criado vários transtornos compulsivos, fiquei mais pavio curto do que já sou, porque percebi que eu não preciso mais passar por certas situações na vida, sou alguém do bem, que faço tudo pelo próximo, e quero ser feliz e prosperar como qualquer outro, em qualquer sentido que a palavra se encaixe.
Apesar de enviar mil currículos, ainda me encontro desempregada, trabalho pra mim mesma com estética, e estou montando o studio de newborn como planejei, rezo para que dê certo. Tenho momentos bons e bem ruins com minha mãe, ela também mudou muito depois de tudo, então nossos atritos são mais relacionados a vontade de ficar só, de ter controle da vida, de novo.
Tenho uma cachorra de 12 anos, cresceu conosco, ela convive comigo durante quase todo dia, é minha melhor companhia, há pouco tempo também descobrir câncer nela, foi operada e vai bem. Criei um medo pavoroso de perder mais uma peça valiosa do meu quebra-cabeça chamado vida. Então já deixei de sair ou viajar mil vezes desde então, apenas para ficar deitada fazendo cafuné nela, imaginar sentir alguma dor de novo, me faz querer ficar cada segundo com ela.
A casa continua contraindo dívidas, ninguém compra, e capim nasce por todo lado. Uma mina de bomba isso aqui.
Quanto a meu pai, é inexplicável a falta que uma pessoa pode fazer em nossa vida, é inexplicável como apenas uma pessoa pode virar tua vida de cabeça pra baixo, é inexplicável como alguém pode ser dentro da vida de tantas pessoas um elo de ligação. Assim era ele. Como espirita que sou, e toda ajuda que tive, e todos os sonhos com ele, melhorei muito, tenho lá minhas recaídas, mais novamente, ninguém percebe, não preciso da pena de ninguém. Converso todas as noites com ele em oração e pensamento, imagino abrancando-o e fazendo todas as coisas que fazíamos.
Mas a realidade é que dói, e você aprende a transformar essa dor em lembrança, lembrança de todos os dias ele me levar café na cama, me abraçar, de andarmos de mãos dadas, fazendo inveja aos seus amigos, para ele era o auge do dia, uma brincadeira divertida. Lembranças de na hora da fome irmos em qualquer lugar, sentar e lanchar, pegar as netas na escola e vê que elas tinham orgulho de apresentar as amiguinhas quem era seu vovô. Lembranças de deitar em seu colo e receber cafuné enquanto a loja fechava, ou quando ele deitava no meu para eu tirar os cabelos que nasciam no ouvido. Lembranças dos cochilos ao som do desenho de pica-pau, seu preferido, ou de ele deixar de comer algo para que eu pudesse comer, porque tinha pouco, e eu fazia a mesma coisa, e a comida ficava lá esfriando. Eram tantas provas de amor...
A culpa por não ter visto essa doença se instalar vai e volta, constantemente. Os choros sempre aparecem na solidão do dia, quando almoço só, assisto só, ouço nossas músicas, quando olho pra tatuagem, pra sua foto...Mas ninguém ver ou percebe porque por fora sigo sorrindo, sigo firme, sigo um dia após o outro.
Existe muito mais coisa, entre apenas essas pequenas frases que descrevo. Existe mais dor, e mais pesadelos do que se pode supor. Mas com relação a ele sigo "feliz", hoje. Porque ao visitar minha avó (sua mãe) que hoje padece em cima de uma cama, entre a vida e a morte, com 10 filhos vivos e desses, dois querem cuidar e o resto nem dinheiro querem dar para ajudar nos custos, fico imaginando como meu pai se sentiria nessa situação. Ele que dava a vida pela mãe, que chorava por não poder ajudar mais, ou estar mais presente, já que ela mora em outra cidade. Hoje teria decepção de ter tantos irmãos nojentos e egoístas. Filhos estes que tiveram que ir pra justiça para saber quem fica com a mãe, porque ninguém quer, qual o valor mensal a ser dado para custos de home care, remédios e internações, que ninguém quer pagar, custo esse que gira de 50,00 a 250,00 reais. Para quem deu a vida por esses, não vou chamar de filhos, ela que foi heroína em vida, merecia muito mais. Minha vó não apenas deu sua vida aos filhos, genros e noras, como deu sua vida e dinheiro a um orfanato que ela criou. Hoje está sendo jogada de um lado para outro, como uma roupa velha que ninguém quer usar. E eu mais uma vez, virei testemunha de uma insanidade, para saber quem merece o quê. Fico aqui agora, pensando o que meu pai acharia disso tudo... o que ele pensa lá de cima. 

Então mais uma vez quando a dor se instala eu corro pra cá, escrevo, posto foto no insta, fotos alegres, felizes, porque mais uma vez ninguém precisa saber minha dor. Faco vídeos pro youtube, leio livros, ocupo a mente, até ela cansar e dormir. E assim que tem sido nos últimos tempos. Mente ocupada não dá espaço... e quando sobra ( como agora) invento até dieta, receita...em fim. A gente vai inventando arte enquanto a vida inventa dilemas. limões e limonadas.
segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Aniversário de 80 anos de minha avó!

Gurias! Esse fim de semana teve o aniversário de minha vó Raimunda! Ela completou 80 anos! Então vou mostrar um pouco a vocês do que rolou na festa, já que eu que fiz as fotos! No fim tem um vídeo também, vai lá assistir!











































Quem gostou? Toda certeza da minha véia ter adorado!
quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

5 filmes para você curtir no final de semana

Fim de semana vem ai e quem quer ficar no sofá comendo pipoca e assistindo filme? Então por isso escolhemos cinco filmes baseados em livros (lógico!) Vamos então?


1- Garoto nota 10 
Inglaterra de Tatcher, 1985. Brian Jackson, desde sempre obcecado em adquirir mais e mais conhecimento, passou a infância assistindo o “Desafio Universitário” na televisão. Agora aluno da Universidade de Bristol, ele encara a oportunidade de participar realmente do show e mostrar tudo que sabe. Mas nem só de estudos vive o homem e Brian sonha também com Alice.

2- Como eu era antes de você
Rico e bem sucedido, Will leva uma vida repleta de conquistas, viagens e esportes radicais até ser atingido por uma moto, ao atravessar a rua em um dia chuvoso. O acidente o torna tetraplégico, obrigando-o a permanecer em uma cadeira de rodas. A situação o torna depressivo e extremamente cínico, para a preocupação de seus pais. É neste contexto que Louisa Clark é contratada para cuidar de Will. De origem modesta, com dificuldades financeiras e sem grandes aspirações na vida, ela faz o possível para melhorar o estado de espírito de Will e, aos poucos, acaba se envolvendo com ele.

3- O caçador de pipas.
Kabul. Amir e Hassan são dois amigos, que se divertem em um torneio de pipas. Após a vitória neste dia um ato de traição de um menino marcará para sempre a vida de ambos. Amir passa a viver nos Estados Unidos, retornando ao Afeganistão apenas após 20 anos. É quando ele enfrenta a mão de ferro do governo talibã para tentar consertar o ocorrido em seu passado.

4- Não me abandone jamais
Ruth, Tommy e Kathy  cresceram juntos em um internato cheio de disciplinas rígidas nas questões da alimentação e na manutenção do corpo saudável. Criados, praticamente, sem contato com o mundo exterior na misteriosa escola, os três sempre foram muito unidos, mas uma revelação surpreendente sobre doação de órgãos e o objetivo de suas vidas pode mudar o rumo da história. Ainda mais pelo clima de romance entre Ruth e Tommy  incomodar cada vez mais Kathy.

5- Extraordinário
Auggie Pullman  é um garoto que nasceu com uma deformação facial, o que fez com que passasse por 27 cirurgias plásticas. Aos 10 anos, ele pela primeira vez frequentará uma escola regular, como qualquer outra criança. Lá, precisa lidar com a sensação constante de ser sempre observado e avaliado por todos à sua volta.

E ai já decidiu qual vai assistir?
terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Livro 85: Não me abandone Jamais


Titulo: Não me abandone jamais
Autora: Kazuo Ishiguro
Ano: 2016
Páginas: 344
Classificação: Ficção Cientifica.

Sinopse: Kathy H. tem 31 anos e está prestes a encerrar sua carreira de "cuidadora". Enquanto isso, ela relembra o tempo que passou em Hailsham, um internato inglês que dá grande ênfase às atividades artísticas e conta, entre várias outras amenidades, com bosques, um lago povoado de marrecos, uma horta e gramados impecavelmente aparados. No entanto esse internato idílico esconde uma terrível verdade: todos os "alunos" de Hailsham são clones, produzidos com a única finalidade de servir de peças de reposição. Assim que atingirem a idade adulta, e depois de cumprido um período como cuidadores, todos terão o mesmo destino - doar seus órgãos até "concluir". Embora à primeira vista pareça pertencer ao terreno da ficção científica, o livro de Ishiguro lança mão desses "doadores", em tudo e por tudo idênticos a nós, para falar da existência. Pela voz ingênua e contida de Kathy, somos conduzidos até o terreno pantanoso da solidão e da desilusão onde, vez por outra, nos sentimos prestes a atolar.


" Cresci um pouco, imagino. E talvez todo mundo também tenha crescido um pouco. Não dá para ficar batendo na mesma tecla o tempo todo. Fica chato "

"  É como passar diante de um espelho pelo qual passamos todos os dias de nossas vidas e de repente perceber que ele reflete outra coisa, uma coisa estranha e perturbadora."

" Quando é com a pessoa certa, faz você se sentir muito bem."


Opinião: Esse é o tipo de livro que eu desisto bem no inicio porque a história é bem maçante, mas que eu já aprendi a insisti nesse tipo de livro, sei que do meio para o fim ele acaba me conquistando, e foi assim que aconteceu com esse livro. Desisti por duas vezes antes do livro chegar na página 100. Achei bem cansativo e sem graça, acredito que se devia ao inicio não entender logo do que se tratava bem a história.
Um daqueles livros fortes que te fazem perguntar se um dia aquilo realmente pode acontecer, no mundo em amplo desenvolvimento, não acho difícil isso virar realidade. Em um mundo onde cada um só olha pro próprio umbigo, é até estranho isso já não ter acontecido. Ele conta a história de crianças que viviam em uma instituição que de inicio parece uma escola, mas que logo depois você entende ser um pouco mais que isso. As crianças eram "clones doadores" por isso cresceram ali, esperando apenas seu momento de ser chamada, algumas resistiam mais tempos outras não. Dentre essas crianças, algumas também viravam cuidadores desses doadores. A história se passa exatamente pela voz de uma cuidadora que viveu no Hailsham. Ela conta nas coisas que eles acreditavam em quanto estavam lá dentro, como eram tratados e os segredos que rolavam. E só no final do livro que tudo fica claro, mostrando o final de cada personagem, quem cuidava da instituição, porque ela foi criada e porque tudo aconteceu. Envolvente, pesado, com uma carga emocional forte, escrita ás vezes cansativa, mas para quem estava entendendo a história, fluía facilmente.
Acho que o livro mereceu o prêmio nobel de literatura de 2017. Difícil encontrar algo assim, diferente, em leitura, nos dias de hoje.
Existe disponível o filme no Netflix, que eu vou correr agora para assistir e já conto a vocês em um outro post.

Quem já leu o que achou?

Atualizações do Instagram

SnapWidget · Free Widget